Escuridão pintada na grande tela

« Escuridão. Quilómetros  e quilómetros de escuridão pintada. Iluminada por espamos de luz.»

nightwatching

Credível ou não o policial/histórico/biográfico A Ronda da Noite/Nightwatching (2007), de Peter Greenaway, baseado no quadro homónimo de Rembrandt Van Rijn, é envolvente e de uma beleza inquietante. Semelhante a um Rapariga do Brinco de Pérola/Girl with a Pearl Earring (2003), de Peter Webber, mais não fosse pelo facto de também se basear na obra de um pintor holandês, até Martin Freeman faz lembrar Colin Firth, e está tão credível o primeiro como Rembrandt como o segundo como Vermeer.

Mas algumas características tornam o filme de Greenaway bastante mais singular. Do princípio ao fim além de sentirmos que a história se desenrola de tela viva em tela viva, graças ao trabalho de fotografia de Reiner van Brummelen – o efeito da escuridão rembrandtiana, curiosamente em oposição à luminusidade leitosa de Vermeer, tratada de uma forma não menos magistral pelo português Eduardo Serra -, a realização é muito teatral, tanto que parece que os actores nunca saem de um palco em que apenas vão mudando os poucos adereços  que existem e quase não há cenas de exterior. Tudo isto além da inusitada abordagem de Peter Greenaway (também ele pintor e desenhadrondadenocheor) sobre a controversa obra de Rembrandt que representa uma companhia de milicianos encabeçada por ricos mercadores de Amesterdão mas pintada de forma dinâmica e muito pouco convencional para a época. Segundo Greenaway a pintura não terá surgido por mera rebeldia senão como forma de denunciar um crime e atacar os burgueses que encomendaram e pagaram a tela através de pistas alegóricas. O resultado já está em DVD e não só nos ensina algo sobre arte, como nos envolve numa investigação policial e nos transporta para a sociedade da época bem como para a vida privada de um dos maiores mestres da pintura de sempre.

Grande, grande presente de Natal.

Advertisements

About Filipa Queiroz

Jornalista. Nascida em Coimbra, criada em Braga e a viver em Macau.

One comment

  1. Confesso que não gostei do resultado final, embora tenha gostado da iniciativa

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: