O dia em que me encontrei com Francis Ford Coppola

DSCN2030

«I do cinema because i’m fascinated by it.»

Francis Ford Coppola despejou-nos cinema em cima ontem à noite, na apresentação de “Tetro”, no Estoril Film Festival. O senhor Godfather fez uma autêntica declaração de amor à sétima arte diante de uma sala tão cheia quanto tentada a beijar-lhe o anel. Alguns tiveram mesmo alguma dificuldade em conter-se. Afinal, não é todos os dias que se está perante o criador de peças históricas do cinema como “Apocalypse Now” (1979), “Drácula de Bram Stoker” (1992) ou a trilogia “O Padrinho” (1972/74/90). «I would have never made the second one, if I got to choose at the time». E ouvem-se vários “auch!” mudos na plateia. Regozijados depois pela paixão com que Coppola, mais solto do que nunca da ditadura hollywoodesca e a viver de facto “uma Segunda Juventude”, diz hoje orgulhar-se de fazer os filmes que quer, como quer e para quem quer.

“Tetro” não é excepção. Pago do seu bolso, o realizador admite não ter de preocupar-se sequer com o feedback das bilheteiras, o que de resto terá sido um dos motivos para filmar na Argentina: era mais barato (usou quase exclusivamente profissionais locais) e um país onde se imaginava a viver bem durante um ano.

Para contar a história do reencontro entre dois irmãos separados à força de um grande segredo – lembramo-nos de “Rumble Fish – Juventude Inquieta” (1983) -, o realizador pintou a tela de preto e branco (deixando a cor para os flashbacks), usou Buenos Aires como cenário e recorreu à dança, ao teatro e ao cinema para contar a história na qual, mais uma vez, a família tem o papel principal.

«It’s not autobiographical but it’s the closest I’ve written about my own family.» Só não há tango. «He specificly said: no tango», atirou a colaboradora. O elenco foi por intuição. E que acertada que foi. No grande ecrã brilham Vincent Gallo, Alden Ehrenreich e a espectacular Maribel Verdú.

Coppola falou da relação com os actores. Do gosto pelo improviso, na fé que deposita no futuro do cinema que de resto prevê que será cada vez mais permeável  a uma maior maleabilidade. Sugeriu mesmo que os realizadores cheguem ao ponto de apresentarem as suas obras como músicos num concerto: adaptados a cada plateia. Recebeu uma garrafa de vinho como presente, homenagem ao produtor de vinhos que também é, mas  preferiu não desviar a conversa. Trabalho é trabalho, conhaque é conhaque. Nós agradecemos. E o tempo voou.

Coppola orgulha-se de pagar os próprios filmes, e não ter de preocupar-se com o feedback das bilheteiras. O que de resto foi um dos motivos para filmar “Tetro” na Argentina: porque era mais barato (usou apenas profissionais locais) e porque era um sítio onde se imaginava a viver bem durante um ano.
Advertisements

About Filipa Queiroz

Jornalista. Nascida em Coimbra, criada em Braga e a viver em Macau.

One comment

  1. Pingback: Tudo de Bom » Blog Archive » Os posts mais comentados do dia de hoje

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: